Apis Mellifera

Abelha Européia (Apis Mellifera)

As abelhas são insetos da ordem Hymenoptera que existem há cerca de 125 milhões de anos. Pelo mundo existem mais de 20.000 espécies, sendo que nas regiões tropical e subtropical são mais abundantes. No Brasil estima-se que existam mais de 2.500 espécies de abelhas distribuídas em cinco famílias. Dentro das famílias há muitos gêneros e espécies de abelhas das mais diversificadas formas, cores e tamanhos. Cada espécie apresenta uma característica própria e desempenha um papel particular na natureza.

As abelhas possuem o corpo dividido em três partes: cabeça, tórax e abdome, e possuem níveis de organização social diferentes, sendo classificadas como sociais, solitárias e para-sociais.

Sociais
Vivem muitos indivíduos no mesmo ninho desempenhando diferentes atividades ao longo de suas vidas. Nesse sistema organizacional, as abelhas se dividem em machos e fêmeas, e estas em duas castas, as operárias e a rainha. Cada casta apresenta uma atividade, ou conjunto de atividades específicas.

Solitárias
Vivem sozinhas na natureza e constroem seus ninhos e abandonam os mesmos logo após a postura dos ovos.

Para-sociais
São abelhas que não apresentam ninhos com muitos indivíduos ou divisão de castas bem definidas, e ocorre sobreposição de geração entre a mãe e sua cria. Nesse processo, uma fêmea funda seu ninho sozinha, constrói as células, bota os ovos, fecha as células e permanece no ninho aguardando o nascimento de seus descendentes. Ela alimenta suas crias após o nascimento e um tempo depois ela morre. As novas abelhas que nascem procuram outros locais para a construção dos seus ninhos e uma das filhas pode permanecer no ninho da mãe e construir novas células para suas crias.

Ninhos
Para a construção dos seus ninhos, as abelhas utilizam madeira morta, areia, barro, folhas, pétalas de flores, óleos florais, resinas, e muito mais.

Alimentação

As abelhas utilizam recursos retirados das flores para a sua alimentação, como os grãos de pólen, uma importante fonte de proteína e sais minerais; o néctar, que é a principal fonte de carboidratos; os óleos florais constituem a fonte mais importante de lipídeos para as abelhas coletoras de óleos. Para essa coleta e transporte de alimento, as abelhas apresentam estruturas especializadas, de acordo com seu gênero.

Classificação

As abelhas também podem ser classificadas como espécies sem ferrão e com ferrão.

Dentre as espécies que possuem o ferrão desenvolvido, a mais comum é a Apis Mellifera, também conhecida como abelha europeia, africana ou italiana. É uma abelha de origem europeia, portanto não é nativa do Brasil, sendo que foi introduzida no país em 1839 pelos portugueses. É a abelha mais criada no ocidente, possuindo diversas sub-espécies. As pessoas que trabalham com esta espécie de abelha é dado o nome de Apicultor.

As abelhas nativas sem ferrão possuem o seu ferrão atrofiado e pertencem à família Meliponinae, e comumente podem ser subdividas em duas tribos Meliponini e Trigonini (a qual pertence a abelha Jataí), cada uma com características específicas de manejo. As pessoas que trabalham com estas espécies de abelha é dado o nome de Meliponicultor.